Barreiras passa a contar com Campo Experimental de Sementes Crioulas de Milho

O município de Barreiras, localizado na região Oeste da Bahia, passou a contar com um Campo de Produção Experimental de Sementes Crioulas de Milho, implantado no Assentamento Ilha da Liberdade. A ação contou com o apoio técnico da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), unidade da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com as orientações e acompanhamento da equipe técnica que atua no Serviço Territorial de Apoio à Agricultura Familiar (SETAF), do Território de Identidade Bacia do Rio Grande, com sede em Barreiras.

A prestação do serviço de assistência técnica e extensão rural (Ater), para a implantação do campo com sementes crioulas incluiu, desde a orientação sobre o preparo do solo, até a fase de finalização do plantio. O projeto segue os princípios da produção de base agroecológica, na perspectiva de resgate e preservação cultural e ambiental, além de possibilitar a garantia da soberania alimentar e nutricional e o fortalecimento da agricultura familiar.

O campo experimental foi implantado na propriedade do agricultor familiar, José Carlos de Almeida. Ele ressalta que a parceria para a produção do milho 100% natural, feita com o apoio da Bahiater/SDR, é muito proveitosa: “Estamos fazendo uma experiência de cultivo de milho crioulo, com muito trabalho, mas que nos surpreendeu. Eu sempre tive vontade de trabalhar com produtos agroecológicos, mas não tinha o conhecimento técnico e com a presença da assistência técnica, nós avançamos bem, com o plantio do milho de sementes crioulas. Futuramente queremos fazer um banco de sementes aqui no assentamento e avançar com esse projeto incluindo outras famílias”.

Carlos Augusto, extensionista da Bahiater, que atua na implantação do projeto, afirma que esse trabalho representa o resgate de uma tradição, permite a disseminação do conceito de produção agroecológica e ajuda a melhorar a qualidade de vida dos agricultores familiares da região e a preparar os ‘guardiões de sementes’ e também os ‘bancos de sementes’, iniciativas que garantam a continuidade das variedades genéticas e de outras culturas tradicionalmente cultivadas na região: “A ideia é não deixar morrer essas sementes antigas, que foram selecionadas por décadas passadas, de geração em geração, e seguem preservadas por famílias de agricultores, quilombolas e geraizeiros”.

Por meio da Ater, as orientações para os cuidados com o plantio, feito em janeiro de 2021, em uma área de 0,8 hectare, foram destinadas ainda à prevenção de pragas e doenças com produtos naturais, a exemplo de óleo de nim, urina de vaca e micro-organismos eficazes, entre outros. A estimativa da safra de milho crioula, do campo experimental é de 5.300 quilos por hectare e um total de 88 sacas de 60 quilos.

As sementes crioulas de milho, da variedade Zea mays L, além de serem multiplicadas para os agricultores familiares do assentamento, serão selecionadas e classificadas para serem comercializadas para outras famílias agricultoras da região.

A iniciativa conta com a parceria da empresa JCO Bioprodutos – Sustentabilidade no Campo, responsável pelo tratamento de sementes, com inoculante microbiológico. A empresa atua na germinação, vigor e produtividade de sementes.

Fonte: Ascom/ SDR

%d blogueiros gostam disto: